Fábrica itinerante – Wobben Wind Power – Revista Arquitetura & Aço

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A WOBBEN WINDPOWER Produz aerogeradores de grande porte, torres e componentes para usinas de geração de energia eólica. De origem alemã, a empresa é uma das líderes mundiais nesse segmento e tem operação no Brasil desde 1995. Para a implantação de uma unidade fabril localizada inicialmente na cidade de Parazinho (RN), o escritório Aurion Arquitetura e Urbanismo foi convidado, em 2011, a conceber uma solução que pudesse abrigar a produção e movimentação das enormes torres eólicas, mas que, ao mesmo tempo, favorecesse a transferência da unidade para a cidade de Juazeiro (BA), já prevista para ocorrer três anos depois.

O desafio de conceber uma composição de fácil desmonte, cujas peças pudessem ser adequadamente transportadas por 900 quilômetros de malha rodoviária sem perda de material, foi um dos motivos que levaram o escritório de arquitetura a optar pelo sistema de tensoestrutura. “Buscamos produzir um resultado minimalista e extremamente simples, no qual a arquitetura e as estruturas estivessem integradas”, explica o arquiteto Herbert Rocha, do Aurion Arquitetura e Urbanismo.

No galpão, de 24,5m de altura por 110m de comprimento, 12 arcos de aço treliçados e recobertos por membranas tensionadas conferem ao conjunto uma forma semicilíndrica e vencem um vão de 40m, viabilizando o transporte de peças em concreto na unidade fabril. A solução adotada, na opinião do engenheiro estrutural Paulo André Barroso, coordenador e responsável técnico da Tensor Estruturas, foi a ideal para fazer frente aos requisitos do projeto, que precisaria ser desmontado periodicamente e realocado em um local diferente, para atender à demanda de usinas eólicas em implantação em diferentes regiões. “As peças em concreto são grandes e pesadas e não poderiam ser desmontadas e transportadas por estradas sem perdas. Por isso, as estruturas em aço recobertas com membranas tensionadas se mostraram o casamento perfeito para a obra em questão”, diz Barroso.

A alternativa encontrada também veio ao encontro dos desejos do cliente, que buscava uma solução eficaz que o ajudasse a reduzir os custos e o prazo da construção. Com o aço e as membranas tensionadas foi possível entregar a unidade fabril em apenas 45 dias.

Além do galpão principal, apoios de portaria, escritórios, vestiários, refeitório, laboratórios, central de utilidades, almoxarifado e oficina também integram o projeto, mas na forma de contêineres em aço.
Projetadas de forma independente, as edificações podem ser dissociadas do galpão central sem prejuízos à obra. Prova disso é que o almoxarifado utilizado em Parazinho hoje está sendo usado em outro projeto da Wobben, no Uruguai.

Desperdício Zero
O uso das estruturas em aço contribui para maior sustentabilidade na construção civil, na medida em que possibilitam seu reaproveitamento, além de serem infinitamente recicláveis.
O fornecimento de matéria-prima na medida certa, característica da construção em aço, também auxilia na otimização dos custos da obra, que dispensa um grande canteiro e reduz a necessidade de mão de obra in loco.
Para construção da fábrica da Wobben em Parazinho, 87 toneladas de aço foram usadas no galpão e almoxarifado. As peças metálicas foram pré-fabricadas e entregues prontas para montagem no local da obra, realizada de forma rápida e simplificada com auxílio de equipamentos convencionais, como guindastes e muncks.

Projeto arquitetônico:
Aurion Arquitetura e Urbanismo

Área construída:
5.200,40 m²

Aço empregado:
Perfis de aço patinável ASTM A588

Volume de aço:
87t

Projeto estrutural:
Tensor Estruturas Especiais e Tecnologia

Fornecimento da estrutura de aço:
Hispano Estruturas Metálicas Ltda.

Execução da obra:
Tensor Estruturas Especiais e Tecnologia

Local:
Parazinho, RN (as estruturas estão em Juazeiro, na Bahia, desde 2015)

Conclusão da obra:
2011

 

Fonte: Arquitetura & Aço nº 49 – Nordeste

 

Gostou do nosso artigo? Deixa um comentário